Amor eterno...

Lilypie First Birthday tickers

segunda-feira, fevereiro 25, 2013

Porquê baptizar?


Para dizer a verdade, este post dever-se-ia intitular "porquê baptizar nos dias de hoje"...

Quando me casei, com disparidade de culto, o E. teve de assinar um papel a confirmar que não se oporia à educação cristã de futuros filhos. Para mim, faz sentido. Quem não acredita, não pode evitar que os outros acreditem, nem poderá obstar a que se transmita uma fé, uma crença.

Até aí, tudo bem.

Assinou o papel, eu comprometi-me a baptizar os nossos filhos, comprometi-me a dar-lhes uma educação baseada em valores cristãos como sejam o amor ao próximo, a caridade, a ajuda. Comprometi-me a dar-lhes a conhecer aquilo em que acredito, e quero absolutamente fazê-lo.

Mas os meus contactos burocráticos com esta instituição já foram mais fáceis...

Olhamos para o lado e vemos um papa a renunciar. Cansaço? Não acredito. Saúde? Responderei "João Paulo II".

Olhamos para o outro lado, vemos um cardeal acusado de homossexualidade e de pedofilia.

Olhamos para a minha zona geográfica, vemos um acusado de abusos sexuais a ser colocado e a continuar a exercer e a "guiar as almas" em direcção "à luz".

Porquê baptizar?

Afinal, que valores quero eu transmitir ao PJ?

Quero baptizar porque acredito em Deus, acredito que Ele nos guia, nos ajuda e zela por nós.

Não quero baptizar por mera tradição, ou por "festa social" - aliás, não vou convidar ninguém fora da família por essa mesma razão.

Quero baptizar porque acredito na minha fé, na minha crença, sobre a qual já reflecti imenso: não acredito só porque sim, só porque me dizem que tenho que acreditar. Não tenho vocação para "carneirismos", e detesto quando tentam tratar-nos como se fosse proibido reflectir, questionar, pôr em causa.

Infelizmente, esta igreja não está a dar o melhor exemplo... e pior que tudo, não está a ajudar à sua causa.

Recuso-me a mudar de madrinhas que, segundo a igreja, "não estão em condições".

Vejamos os seus crimes:

 - são duas mulheres
 - não são crismadas

Vejamos os exemplos de práticas pias que nos rodeiam pelos senhores padres, que estão em condições por serem crismados:

 - o Papa resigna porque está cansado. Então e o "carrega a tua cruz"?...
 - o cardeal é acusado de homossexualidade e abusos sexuais
 - o mesmo se aplica a outros padres investigados e recentemente relocalizados

Vou baptizar, sim, porque acredito não na igreja nem no que os homens dela fizeram mas porque creio na minha fé. Mas não tentem impingir-me a ideia de que as pessoas que escolhi para madrinhas não estão em condições nem darão um bom exemplo, porque QUALQUER exemplo é melhor do que o que a igreja nos dá actualmente...

(Queixem-se depois que há cada vez menos crentes e yada-yada-yada...)


Share |


"Nosce te ipsum"

5 clips:

Susana Goncalves disse...

Rita, não poderei estar mais de acordo relativamente a nao batizar por pressao social mas sim por fe...mas tenho ainda outra opiniao. Como leste o meu post no meu blog, não irei baptizar a minha filha, não por falta de fé, mas porque ao ler a Biblia não encontro nenhum lugar que me diga que o correto é baptizar bebés, ou q o batismo protege ou salva alguem (alias, jesus era perfeito e foi batizado...com 30 anos). O que a Biblia me diz é que o baptismo deve ser um sinal da nossa fe (da fe de quem é baptizado e não dos pais), uma demonstração publica que queremos seguir a Deus e a Jesus cristo e, por isso, uma decisão que so poderá ser tomada por uma criança mais velha, adolescente ou adulto. Daí eu estar de acordo com as igrejas cristãs – q são muitas - que não realizam baptismo a infantes, mas sim somente a quem já tem idade para ir lá a frente e dizer “eu quero ser baptizado porque é nisto que acredito”.

Rita disse...

Olá Susana :)

Sim, concordo com o que dizes, de que deve ser um sinal da nossa fé. Mas como em tantas outras coisas, nada é definitivo, e por isso quem é baptizado em criança, sem poder "opinar", pode mais crescido fazer o crisma, ou o sacramento da confirmação :) Foi o meu caso, e o da minha irmã.

Talvez seja superstição, talvez seja crença, não sei. Sei que por qualquer razão me sinto mais protegida assim, e o sinto mais protegido :) Já me bastam os pesadelos que tenho (literalmente de acordar a gritar)... se os puder evitar, tanto melhor!

Claro que, como em tudo, sei que não o posso obrigar a seguir esta fé. Dar-lhe-ei a possibilidade de a conhecer, mas sei que, em última instância, será uma decisão dele :)

Obrigada pelo comentário!

Susana Goncalves disse...

comentei mais no meu blog, pq tinha ficado de responder da outra vez mas esqueci-me com tantas coisas pelo meio :/

de nada, gosto de seguir o teu blog :)

Susana Goncalves disse...

ah, esqueci-me de dizer: apesar de falarem q a fe é infundada, ao meu ver, a fé pode sim ser fundada. E no caso do cristianismo essa fundaçao vem da Biblia, por isso, pessoalmente, nao sou dada a superstiçoes sem base em alguma coisa especifica, pq o proprio Deus da biblia diz para nao sermos supersticiosos e para indagar todas as coisas. Mas pronto, respeito que as tenha ;)

Rita disse...

Don't worry! Comentas e respondes apenas quando puderes :)

Rascunhos antigos